29 junho 2008

Graus da Consciência

A consciência pode ser definida. De acordo com Hamilton, "podemos saber perfeitamente o que é consciência, mas não podemos sem confusão comunicar aos outros uma definição do que nós tão bem apreendemos, e a razão disso é bem simples: a consciência está na raiz de todo o conhecimento". Por seu lado, Baldwin explicou: "O que se chama consciência é o que nós somos cada vez menos à medida que caímos num sono sem sonhos, e o que somos cada vez mais à medida que um ruído nos acorda pouco a pouco".

A Psicologia clássica, para efeitos didáticos, dividiu a consciência em dois graus ou dois modos: consciência espontânea e consciência reflexiva. A consciência espontânea é a consciência direta, imediata; a consciência reflexiva, mediata, retorno do espírito sobre as idéias, as representações mentais. Lalande critica essa divisão e substitui, com muita propriedade, o termo consciência espontânea por consciência primitiva. Quer dizer, primitiva, porque contém o elemento básico, a essência, o conteúdo principal da consciência.

A consciência espontânea ou primitiva põe-nos em contato direto com o mundo exterior. A situação complica-se quando o homem encontra-se em presença de si mesmo, ou seja, suas próprias atividades podem converter-se para ele em objetos de sua percepção e cognição, como é o caso da introspecção. O voltar-se para si mesmo é o que denominamos de autoconsciência, aquela mesma ensinada por Sócrates há mais de 2500 anos. A esse procedimento chamamos consciência reflexiva ou consciência elevada à segunda potência.

A consciência reflexiva estimula o homem a olhar-se e olhar o mundo de diferentes pontos de vista, e remodelar, a qualquer momento, a sua própria personalidade. Cria-lhe condições de intervir, intencionalmente, no curso do seu próprio desenvolvimento, a fim de reestruturar suas relações com o ambiente. Ainda mais: essa função, a mais elevada da consciência, amplia consideravelmente o mundo do homem e o eu; liberta-o do fechamento na própria subjetividade e capacita-o a olhar as coisas e para si mesmo de um ponto de vista objetivo.

A emotividade dá uma dimensão especial à consciência. De acordo com William James, as naturezas geralmente emotivas, muito acessíveis aos movimentos afetivos, podem caracterizar-se, em linhas gerais, por mais alto grau e por um campo mais estreito de consciência, que o não-emotivos. Reduzindo-se a extensidade, aumenta-se a intensidade, eis uma lei que se registra em todo o existir tempo-espacial. Por isso, as diferentes percepções com relação a um mesmo objeto.

O homem espiritual deve buscar o grau máximo de sua consciência: ocupar a sua mente somente com coisas que objetivam o real crescimento do seu espírito imortal.

Fonte de Consulta

SANTOS, M. F. dos. Dicionário de Filosofia e Ciências Culturais. 3. ed., São Paulo, Matese, 1965.
NUTTIN, J. Estudos da Motivação Humana. São Paulo, Duas Cidades, 1982.

São Paulo, 31/03/1999

Visite o site do Clube de Autores
e folheie o livro Leis Divinas ou Naturais,
por Sérgio Biagi Gregorio


Aprenda Online: Lista dos Cursos 24 Horas

Nenhum comentário: