03 fevereiro 2012

Consenso

Consenso. Do latim consensus, acordo, juízo unânime. Acordo estabelecido, entre indivíduos ou grupos, sobre seus sentimentos, opiniões, vontades etc., como condição para que haja uma concórdia social. Poder-se-ia defini-la, também, como a concordância de várias pessoas ou da maioria dos membros de uma coletividade em torno de determinado assunto.

Diz-se que há consenso geral quando todos aderem a um princípio, a uma asserção, a uma crença ou a uma tomada de decisão como critério do melhor e do mais verdadeiro, a unanimidade sendo considerada como atitude mais razoável para a realização de determinado objetivo.

Para Luiz Antonio Saconni, em Corrija-se de A a Z, o termo “consenso ‘geral’” é redundância, pois a palavra consenso significa unanimidade de opinião, opinião geral, voz comum. Exemplos: 1) o consenso dos eleitores era de que as reformas poderiam ser implementadas; 2) se nem Jesus Cristo obteve consenso, como exigi-lo de nosso grupo de trabalho?; 3) Ninguém esperava o consenso dos pais da moça nesse casamento.

Em Ética a Nicômaco, Aristóteles instrui-nos sobre o consenso universal: "Aquilo em que todos consentem, dizemos que assim é, já que rejeitar semelhante crença significa renunciar ao que é mais digno de fé".

Mário Perniola, em Contra a Comunicação, fala-nos da sensologia, um neologismo que se refere à transformação da ideologia numa nova forma de poder, que acredita ter um consenso plebiscitário fundado em fatores afetivos e sensoriais.

Em suas palavras: "Pergunto-me, agora, se não seria justamente a comunicação essa nova forma de ideologia que batizei com o termo de sensologia. Por exemplo, orientações coletivas em que a comunicação desempenhou papel muito importante, como o neobelicismo e o neopacifismo, a globalização e a antiglobalização poderiam ser consideradas neo-ideologias (como sugere Fitoussi) ou – fato que não cria maiores diferenças – sensologias?" (Perniola, 2006, p. 21)

PERNIOLA, Mario. Contra a Comunicação. Tradução de Luisa Raboline. Rio Grande do Sul: Unisinos, 2006.

Nenhum comentário: