18 fevereiro 2012

O Homem Segundo Alguns Filósofos

Para Platão, o corpo é obstáculo ao conhecimento. “O corpo, e tudo o que ele significa (percepção, paixão, instinto, emoção), deve ser anulado para que a razão seja exercitada. Tudo aquilo que não é pura espiritualidade racional pode ser descrito em termos de patologia da alma”.

Para Ficino, o homem é copula mundi, o centro do universo. “O homem é o termo médio (cópula), o centro, uma entidade intermediária na hierarquia da criação, a meio caminho entre o animal e o anjo”.  

Para Pico Della Mirandola, o homem é um camaleão. “A doutrina do homem camaleão, pela qual o homem não possui uma virtude específica, mas contém em si todas as qualidades de todos os outros seres viventes, é de alguma maneira compatível com a teoria oriental da metempsicose, segundo a qual as almas dos mortos se reencarnam em outros corpos, humanos ou animais”.  

Para Descartes, o homem se resume no penso, logo existo. “Depois de ter duvidado de tudo, só uma coisa permanece não discutível: quem duvida pensa, é um ser pensante”.  

Para Pascal, nada somos para o infinito. Defende a tese do realismo trágico: “O homem é uma estranha mescla de louvável grandeza e reprovável miséria, um paradoxo lógico, um monstro incompreensível até para si mesmo”.

Para Nietzsche, o Super-Homem é o sentido da terra. “O Super-Homem está além da racionalidade, despreza todo valor ético, vive num mundo dionisíaco, reconhece o engano inerente a todas as filosofias, percebe o passar do tempo como o eterno retorno. O homem atual é somente uma fase de passagem, é uma corda estendida sobre um abismo, entre o feio de que se origina e o Super-Homem para o qual tende”

Fonte de Consulta

NICOLA, Ubaldo. Antologia Ilustrada de Filosofia: das Origens à Idade Moderna. Tradução de Margherita De Luca. São Paulo: Globo, 2005.

Um comentário:

Anônimo disse...

Muito bom, parabéns...
Deveriam pensar nas fases que eles mais usavam para explanar melhor suas teorias somente como exemplos explicativos.