01 outubro 2005

Convite à Filosofia

O ser humano, pela condição de ser primeiro homo faber em vez de homo sapiens, acaba emprestando aos bens materiais – dinheiro e propriedades – um valor muito maior do que àquele dado aos bens espirituais. Esse tipo de escolha rouba-lhe o tempo que poderia estar sendo usado para cuidar de sua alma, um bem muito mais precioso. Quando, porém, se predispõe a tal cuidado, é sempre visto com desdém pelos que assim não pensam.

O exercício filosófico não é difícil. Basta apenas que tenhamos tempo e disposição para pensar e repensar todos os assuntos que visitarem as nossas mentes. O importante é não fugirmos de um problema, mesmo que esteja nos causando angústia e inquietação. Observe a biografia dos grandes pensadores: muitos contam que, somente depois de muitos escritos e correções, é que acabam compondo as suas peças literárias. Lembremos também do adágio: "o gênio é um por cento de inspiração e noventa e nove por cento de transpiração".

A palavra filosofia – do grego filo e sofia significa amor à sabedoria, mas não qualquer sabedoria, porém a sabedoria que nos leva à descoberta da verdade. Com relação à descoberta da verdade, René Descartes dá-nos uma contribuição valiosa. Para ele, seria muito mais produtivo descobrir o espírito à captação da verdade do que correr pressurosamente na busca da mesma. Em outras palavras, esforçarmo-nos por purificar o vaso interior deve ter um peso muito maior do que buscar reconforto nos escritos alheios. Repassar mentalmente o dia, como fazia Santo Agostinho, não deixa de ser um excelente exercício de reflexão filosófica.

O espanto, a dúvida e a contradição são requisitos fundamentais para o filosofar. Ao sermos bafejados por um insight, parece-nos que todo o nosso ser sofre um realinhamento comportamental. Assim, o espanto mostra-nos que há outra forma de analisar o mesmo problema; a dúvida, não qualquer dúvida, mas aquela que nos leva ao encontro da verdade, dá-nos novo alento às nossas pesquisas; a contradição, por sua vez, faz-nos confirmar ou negar o conhecimento que pensávamos ter sobre um determinado objeto.

A filosofia é a mãe de todas as ciências, porque foi dela que partiram todos os ramos do conhecimento. Ela está acima das ciências, por que vai ao encontro das causas primeiras e procura colocar tudo em termos globais, holísticos. Comparativamente falando, a ciência procura a parte, o corte da realidade; a filosofia pega essa parte, esse corte e o relaciona com o todo.

O pensamento filosófico clama pelo pensamento ecológico. Os furacões "Tsunami" e "Katrina" são provenientes do aquecimento global a que estamos assistindo. É preciso promover, assim, um desenvolvimento sustentado da economia, para que possamos deixar o Planeta em condições de ser habitado pelos nossos netos. Pensemos em termos cósmicos: o Planeta Terra é, grosso modo, a soma de todas as atividades dos seres humanos: manuais ou mentais. Nesse sentido, qualquer coisa que fizermos, por mais insignificante que seja, terá a sua repercussão no Universo, porque dele fazemos parte.

Os conhecimentos filosóficos devem ser absorvidos de forma natural. Eles se assemelham aos cuidados que devemos ter para com uma planta: aguando-a em demasia pode vir a morrer; não jogando água nenhuma, também. O seu crescimento depende da quantidade de água justa: nem mais, nem menos.

São Paulo, 21/9/2005

Nenhum comentário: