29 março 2011

Para Além de Bem e Mal

Friedrich Wilhelm Nietzsche (Röcken, 15 de Outubro de 1844 — Weimar, 25 de Agosto de 1900) foi um filólogo e influente filósofo alemão do século XIX. Em sua obra Para Além de Bem e Mal (1886) procura vislumbrar novas referências do valor, depois do anúncio da morte de Deus. Assim, critica impiedosamente os valores vigentes nos vários campos do saber, incluindo religião, moral e política.
Seu objetivo principal é a transvaloração de todos os valores. Nesse caso, denuncia as falácias do dogmatismo nos terrenos da filosofia e da ciência. É um diálogo crítico com a tradição. Para ele, o pior e mais perigoso de todos os erros foi um erro de dogmáticos: a invenção por Platão do espírito puro e do Bem em si.

Acha que a ênfase na invenção platônica do espírito puro e do Bem em si desvalorizou tudo o que é subjetivo. O subjetivo passou, assim, a ser o oposto da verdade, ou seja, o erro, o engano, a ilusão.

Ele escreve: “O problema do valor da verdade se colocou diante de nós – ou fomos nós que nos colocamos diante do problema? Quem de nós é, aqui, Édipo? Quem é a esfinge?”

Mais informações em: GIACOIA JUNIOR, Oswaldo. Nietzsche & Para Além de Bem e Mal. 2.ª ed., Rio de Janeiro: Zahar, 2005.

Nenhum comentário: