03 julho 2013

Apologia de Sócrates

Apologia é um discurso ou escrito laudatório que tem por fim justificar ou defender alguém ou alguma coisa. A Apologia de Sócrates é a obra escrita por Platão depois da morte de seu mestre (399 a.C.). Platão imagina Sócrates defendendo-se diante dos juízes que o condenaram à morte por corromper a juventude e introduzir divindades estrangeiras. 

Platão estrutura a defesa de Sócrates em quatro partes: 1.ª o acusado dirige-se ao júri referindo-se às pessoas de seus acusadores e às acusações feitas: sedução da juventude e impiedade; 2.ª o acusado dirige-se ao principal acusador, ou seja, Meleto; 3.ª o acusado, já ciente de que foi julgado culpado e condenado à morte, dirige-se outra vez ao júri; 4.ª condenado à morte, entrega os seus juízes ao julgamento da posteridade.

O conteúdo da Apologia é atípico. Na época os sofistas, que cobravam pela disseminação de seu saber, preparavam os seus alunos, não para disseminar a verdade, mas para ganhar a discussão. Baseavam-se no seguinte raciocínio: tornar o argumento fraco o mais forte possível. Sócrates, em sua defesa, fez o contrário, ou seja, usou de simplicidade, coerência e sem floreios. 

Eis um trecho do livro: “... se sentirdes que me defendo com os mesmos raciocínios com os quais costumo falar nas feiras, ou nos lugares onde muitos de vós me tendes ouvido, não vos espanteis por isso, nem provoqueis clamor, porquanto, é esta a primeira vez que me apresento diante de um tribunal, e com mais de setenta anos de idade! Por isso, sou quase estranho ao modo de falar daqui. Se eu fosse realmente um estrangeiro, sem dúvida, me perdoaríeis, se eu falasse na língua e da maneira pelas quais tivesse sido educado; assim também agora vos peço uma coisa que me parece justa: permiti-me, em primeiro lugar, o meu modo de falar – e poderá ser pior, ou mesmo melhor – depois, considerai o seguinte e só prestai atenção a isto: se o que eu digo é justo ou não. Essa, de fato, é a virtude do juiz, do orador: dizer a verdade.” 

Para explicar a sua ocupação de filósofo, parte da afirmação do oráculo, que o considerava o mais sábio dos homens. Se o oráculo diz isso, deve ser verdadeiro, pensava. Em seguida, começou a questionar os que sabiam algo e chegava à conclusão de que não sabiam o que pensavam saber. Este método denominou-se “maiêutica” que, à semelhança de sua mãe (parteira), daria luz às novas ideias. 

Para se defender da acusação de que corrompia os jovens, alegou que os jovens o seguiam de livre e espontânea vontade. E o seguiam porque Sócrates os ensinava a pensar com a própria cabeça. Para se defender da acusação da impiedade, disse que obedecia ao daimon. O seu daimon começou desde a infância: “Uma voz que só se produz para me afastar do que vou fazer, mas não me impele nunca a agir”. Trata-se, pois, de uma voz que só transmite proibições divinas.

O julgamento à morte foi essencialmente de natureza política. Os jovens que conviviam com Sócrates seriam políticos em Atenas, como Crítias e Alcibíades. Não dizia respeito apenas aos indivíduos, mas tinha projeção sobre a democracia em Atenas. Possivelmente, os detentores do poder temiam que esses jovens se insurgissem contra o status quo vigente. 

Uma vez julgado e condenado, preferiu morrer a fugir da prisão. Justificou esta atitude por amor à justiça e à coerência de suas ideias. Dizia que por mais injustas que sejam as leis devemos obedecê-las, para não incitar outros a desobedecê-las. Nos últimos instantes de sua vida disse: “Mas é chegada a hora de partir: eu para a morte e vós para a vida. Quem de nós se encontra para o melhor destino, todos nós ignoramos, exceto o deus”. Somente Deus conhece a verdade.

Fonte de Consulta 

Platão. Apologia de Sócrates. Tradução de Edson Bini. São Paulo: Edipro, 2011. (Edipro bolso)

Nenhum comentário: