10 janeiro 2012

Alguns Erros da Memória


“A tinta mais pálida é melhor do que a memória mais fiel”. 
(Provérbio chinês)

Conhecimento estimula lembrança. Há diversas pesquisas mostrando que o conhecimento prévio sobre determinado assunto, principalmente de especialistas, recupera com mais facilidade um dado passado. Os novatos têm mais dificuldade de lembrar. Experiência com o esporte: os amantes do futebol evocaram com mais facilidade uma nova informação do que os que estavam dando os primeiros passos nesse ramo de conhecimento.

Conhecimento induz ao erro. O conhecimento prévio, embora aliado da lembrança, pode induzir-nos a erros. Não são poucas as vezes que fazemos abstrações e alusões sobre informações que não estavam no estoque de conhecimentos adquiridos. Um exercício: relata-se todo o procedimento (entrada, espera e saída do consultório) para que uma pessoa, com suspeita de gravidez, seja atendida por um médico. Os participantes do teste, devendo retornar o que ouviram, incluíram muitas coisas que não estavam nos dados apresentados.

Memória real versus memória imaginada. Compondo a lista dos possíveis erros, podemos anotar as diferenças entre memória real e memória imaginada. De certa forma, a memória nunca é o fato, mas a lembrança que dele temos. O problema aqui está na confusão que o individuo faz entre o fato real e aquele que ele está relatando.

Testemunha ocular. Usada na identificação de um crime, de um assalto, de uma colisão de veículos etc. Quais são os tipos de erros? A pessoa pode estar aflita pelo fato de não ter acontecido com ela; pode prestar mais atenção à arma do que à face do criminoso; como as roupas têm poder de indução, uma pessoa com os mesmos trajes pode ser apontada como autora daquele delito. 

Fonte de Consulta: FOSTER, Jonathan K. Memória. Tradução de Camila Werner. Porto Alegre: L&PM, 2011 (Coleção L&PM POCKET; v. 977), capítulo 4. 

Nenhum comentário: