01 novembro 2013

Pensamento Sociológico

Comte (positivismo) e Marx (materialismo histórico) são os precursores da moderna sociologia. Durkheim e Weber, além de complementarem as teorias de Comte e Marx, dão à sociologia um status de ciência, com possibilidade de novos desenvolvimentos.

Para Émile Durkheim (1858-1917), a sociologia é uma ciência positiva que investiga os "fatos sociais". Publica, em 1895, As regras do método sociológico, em que expõe a necessidade de que as investigações sejam feitas mediante trabalhos empíricos. Durkheim sugere o uso de dois instrumentos auxiliares: o direito e a estatística. O direito, como manifestação de algumas regras que surgem da consciência coletiva. A estatística, por sua vez, garante certa objetividade da análise sociológica. Isso porque os fatos sociais não podem ser explicados em termos individuais. A sociedade é algo muito maior do que a soma dos entes individuais.

Max Weber (1864-1920) acha que a metodologia das ciências sociais deve ter por princípio a "neutralidade valorativa", já que "não existe nenhuma análise científica puramente objetiva da vida cultural ou dos fenômenos sociais, independente dos pontos de vista específicos e unilaterais, segundo os quais aqueles fenômenos — expressa ou tacitamente, consciente ou inconscientemente — são selecionados como objetos de investigações, analisados e organizados por meio da expressão".

A "neutralidade valorativa" apóia-se na multicausalidade, que Weber destaca em A ética protestante e o espírito do capitalismo (1904-1905). Este trabalho é uma investigação sobre as origens do capitalismo europeu em que se demonstra o caráter unilateral das teses de Marx (que analisa essas mesmas origens em termos de causas econômicas e sociais). Weber demonstra que as origens do capitalismo na Europa podem ser explicadas tanto do ponto de vista escolhido por Marx quanto do que ele mesmo propõe e que é o da religião.

Durkheim e Weber tiveram grande influência nas principais correntes da sociologia contemporânea, principalmente na sociologia européia. Entre os influenciados, estão Karl Mannheim (1891-1947) e Raymond Aron (1905-1983). O primeiro desenvolveu argumentos acerca da sociologia do conhecimento; o segundo, pelo seu interesse nas relações que se estabelecem entre a estrutura social e os regimes políticos na sociedade industrial.

A influência na América do Norte deu-se por meio de Talcott Parsons (1902-1979) e Robert K. Merton (n. 1910). Parsons desenvolveu o funcionalismo ou funcionalismo estrutural, que se baseia no princípio de que a análise de qualquer instituição social deve ser feito em função do que ela traz para o funcionamento e manutenção da sociedade como um todo. Merton, discípulo de Parsons, desenvolve um funcionalismo menos abstrato e mais preocupado com a investigação empírica. 

Fonte de Consulta

Temática Barsa - Filosofia 

Texto mais extenso em PDF

Nenhum comentário: