04 setembro 2013

Filosofia da Religião

Filosofia da religião – por analogia com a filosofia da ciência, filosofia da arte etc. – nada mais é do que a reflexão filosófica sobre a religião.

A filosofia da religião difere tanto da teologia quanto da filosofia religiosa. Enquanto a filosofia da religião procura questionar os aspectos religiosos, a filosofia religiosa é substancialmente uma filosofia da salvação, que desde o início se move num terreno religioso e não o abandona em todo o seu trajeto. A teologia, por seu turno, é a formulação sistemática das crenças religiosas. Se fosse um ramo da teologia, faltar-lhe-ia a liberdade intelectual inerente à pesquisa filosófica. Impedir-lhe-ia de questionar a existência de Deus e os dogmas essenciais da religião em estudo.

A filosofia da religião procura analisar criticamente os conceitos de Deus, da adoração, da salvação, da vida eterna etc. Em seus estudos, procura comparar diversas expressões religiosas com o avanço das descobertas científicas. Os principais problemas da filosofia da religião são: a existência de Deus, sua ligação com esse mundo sensível, o problema do mal, a relação entre moral e religião e as relações entre alma e corpo.

Desde a Antiguidade até a Idade Moderna, os filósofos tentaram dar uma resposta à atitude do ser humano diante da religião. Platão, por exemplo, afirmava a ideia do Bem, ou seja, a ideia do Divino como concentração do racional, do bom e do belo. Os estoicos defenderam que o próprio mundo é o Deus racional, submetido à lógica de seu pensamento. Newton fala-nos de um Deus como o arquiteto do Universo. A revolução científica dos séculos XVI e XVII concebe o criador como uma máquina perfeita. Hegel formulou um panteísmo dinâmico em que as três etapas da realidade, ideia, natureza e espírito, poderiam confundir-se com uma divindade não- transcendente do mundo. Nietzsche anunciou a morte de Deus. Freud, no campo da psicanálise, dizia que a religião era uma neurose obsessiva.

O problema central do estudo da filosofia da religião funda-se no conceito de Deus. Todos os demais elementos, principalmente na tradição judaico-cristã, dependem deste conceito, que fornecerá elementos para um amplo debate em torno do assunto.  

Fonte de Consulta

BUNGE, M. Dicionário de Filosofia. Tradução de Gita K. Guinsburg. São Paulo: Perspectivas, 2002. (Coleção Big Bang)
HICK, John. Filosofia da Religião. Tradução de Therezinha Alvim Cannabrava. Rio de Janeiro: Zahar, 1970.
TEMÁTICA BARSA - FILOSOFIA. Rio de Janeiro, Barsa Planeta, 2005. 

Nenhum comentário: