15 agosto 2008

Origens da Filosofia

O ser humano, premido pelo medo do desconhecido, foi obrigado a buscar explicações que pudessem transformar uma desordem inicial em ordem perene. O mito foi a primeira tentativa de interpretar os mistérios do Universo. Os mitos nada mais são do que histórias acerca da criação: do ser humano, do mundo, da vida. Essas narrações ocorreram num tempo "pré-humano", ou seja, num tempo em que o ser humano ainda não existia. No entanto, o que ocorreu nesse tempo serve para explicar o que acontecerá depois que o ser humano aparecer na Terra.

Na Grécia antiga, berço da civilização ocidental, o nascimento do pensamento racional coincide com o surgimento da pólis. A vida na cidade exige uma outra maneira de explicar as coisas. Essa nova maneira de pensar as coisas recebeu o título de Filosofia. Os filósofos, ou melhor, os amantes do saber, já não se contentavam com os relatos sobrenaturais; eles desejaram explicações mais racionais, mais de acordo com a razão. O logos grego queria captar as coisas tais quais eram, tais quais se revelavam, ou seja, queriam descobrir a aletheia (verdade), que significa "revelar algo que estava oculto".

A transição da consciência mítica para a consciência ao nível racional não foi instantânea. Começaram pelo estudo da physis. Physis era entendido como a totalidade do Universo e também como uma forma permanente das coisas. Este termo abrange tudo o que existe e tudo o que não existe. Traduz-se, geralmente, por física, mas não deve ser entendida como a Física dos dias presentes. Em realidade, os primeiros filósofos estavam preocupados em descobrir a origem de todas as coisas. Tales vai dizer que o princípio de tudo é a água; Anaximandro, o infinito indeterminado, Anaxímenes, o ar; Heráclito, o fogo; Pitágoras, o número; Empédocles, os quatro elementos: terra, água, ar, fogo, em vez de uma substância única.

Para melhor compreendermos o pensamento antigo, dividamo-lo em três grandes períodos: 1) até Sócrates, em que a preocupação era com a physis, ou seja, a busca do elemento primordial do Universo. Este período é também o período da admiração, do espanto e da perplexidade; 2) os sistemas metafísicos de Platão e de Aristóteles, em que estes procuravam conciliar o devir e as exigências do pensamento racional; 3) o advento do cristianismo, em que a crença era baseada na . Nesse período, estabelece-se um retorno ao mito.

Religião e filosofia entram em cena e, com elas, as discussões entre fé e razão. O cristianismo é uma religião, revelada, que aceita a por meios extra-racionais. A filosofia, por outro lado, tenta uma compreensão por vias racionais. A fé é sobrenatural; a razão, natural. Embora de natureza distinta, razão e fé mantêm uma ligação, marcada muitas vezes por tensões. Os primeiros Pais da Igreja, por exemplo, não se contentaram apenas em aceitar a fé; eles queriam estudá-la à luz da razão.

A origem da filosofia está na admiração, no espanto, na perplexidade. Saibamos bem utilizar esses insights para uma melhor compreensão da realidade que nos envolve.

Fonte de Consulta

TEMÁTICA BARSA. Rio de Janeiro, Barsa Planeta, 2005.

Nenhum comentário: