13 agosto 2008

Consciência da Liberdade

Os ensinamentos dos primeiros Profetas em Israel, de Buda, na China, de Zoroastro, na antiga Pérsia e dos pré-socráticos, na Grécia, tiveram grande influência na formação da liberdade e da compreensão do outro como sujeito. Esses ensinamentos mostram-nos a passagem de uma consciência mítica – sujeito ligado ao objeto – para uma consciência ao nível racional, em que o sujeito se desliga momentaneamente do objeto, para melhor avaliá-lo.

Hegel, em suas Lições sobre a Filosofia da História, mostra-nos a evolução da história como o advento da liberdade, em que a consciência-de-si é constituída na relação com o outro, na luta pelo reconhecimento. O reconhecimento, porém, só pode se dar no âmbito da liberdade. Quando o ser humano começa a ver o outro como um sujeito e não como um objeto no meio dos objetos, aí começa verdadeiramente a comunicação das consciências, pois cada uma começa a respeitar as outras, com suas virtudes e os seus defeitos.

O reconhecimento do outro como sujeito se dá na tessitura do tempo. A escolha do sujeito é o fato marcante. Nesse sentido, o sujeito quando toma uma decisão, ele a toma baseando-se na faticidade do passado e nas possibilidades do futuro. A formação do ser humano baseia-se nessa relação, pois mesmo que não faça uma escolha, isso também é uma escolha, como diria Sartre, em sua filosofia existencialista.

A decisão fundamental do ser humano é a busca do sumo bem. A procura do sumo bem, por sua vez, tem íntima relação com interioridade do ser. E quem, no processo histórico, deu o primeiro passo para essa concretização foi Sócrates com o "conhece-te a ti mesmo". Na época, toda a filosofia estava preocupada com as coisas externas ao ser, principalmente na busca da arché, do princípio de todas as coisas. Sócrates faz o sujeito desviar-se dessas coisas externas e aplicar-se às internas, ou seja, ao conhecimento de sua alma imortal.

A interioridade é a chave. Ela não pode, porém, ser uma mera contemplação, uma mera meditação, mas uma reflexão para uma melhor apreensão do dever, que ainda é a busca do sumo bem no relacionamento com o outro. O outro é a medida exata do nosso progresso moral e espiritual. Dos outros recebemos abusos, agressões, repreensões, censuras, mas dos outros também recebemos elogios que, embora não os merecendo, servem de estímulo à nossa vivência diária.

A liberdade – no relacionamento com o outro – pode ser comparada à semente que se joga ao solo. Uma vez lançada, a fruta virá com certeza. Do mesmo modo são os nossos atos, uma vez tomada uma decisão, a conseqüência virá. Por isso, o silêncio, em muitas das nossas rusgas diárias é o melhor remédio.

Nenhum comentário: