31 maio 2012

Novo Cérebro: Mudar Respostas

Problema: Como descobrir as crenças que estão limitando a nossa vida? Como mudá-las para outras mais expansivas?

Russell Ackoff já nos dizia que "A solução errada para o problema certo é anos-luz melhor do que a solução certa para o problema errado". 

Primeiramente, entendamos que há uma profunda diferença entre fatos e crenças. Sobre os fatos, há poucas discordâncias, pois eles procuram mostrar o que a coisa é. Exemplo: o calor dilata o metal. Não há o que discutir, a não ser sobre o grau de temperatura que isso acontece. Os seres humanos acabam entrando em conflito quando discutem crenças. 

Em se tratando de crenças, há as racionais e as irracionais. As crenças racionais são aquelas que nos parecem apresentar argumentos lógicos: Exemplo: A Terra é redonda; o dinheiro facilita a vida; dois mais dois são quatro; o ser humano é constituído de cabeça, tronco e membros. As crenças, ditas irracionais, são aquelas as quais não se consegue chegar a um acordo. Exemplo: Deus Existe?; há vida além-túmulo? 

Vejamos alguns tipos de crenças:

  • "Isto sempre acontece comigo";
  • "Não posso errar";
  • "Devo mostrar que sei o assunto";
  • "Tenho que agradar a audiência";
  • "Preciso fazer mais exercícios físicos". 

Como mudar esses tipos de crenças?

"Isto sempre acontece comigo". É uma visão individual do problema. E se procurássemos saber o que está acontecendo com os outros?
"Não posso errar". Por quê? Não há erro, só há experiência. Além do mais, aprendemos melhor com os erros do que com os acertos. Lembremo-nos no ditado latino: errando corrigitur error (errando, corrige-se o erro)
"Devo mostrar que sei o assunto". Não temos que mostrar a ninguém, a não ser a nós mesmos. 
"Tenho que agradar a audiência". Querer agradar a todos pode desagradar a Deus. 
"Preciso fazer mais exercícios físicos". No estudo da obesidade, há controvérsia sobre os exercícios de educação física. 

Essas lembranças são mais para aguçar a reflexão sobre o nosso  comportamento. O importante é estarmos abertos para a mudança. Deixar o velho causa transtorno, gera inquietação e angústia. Enfrentemos tudo isso  com confiança e determinação. A recompensa virá adiante.

Um comentário:

Regiani Moraes disse...

Parabéns pelo blog, rico em conteúdo.