16 novembro 2008

O Filósofo e o Verdadeiro Filósofo

César Chesneau du Marsais, no seu texto sobre o Verdadeiro Filósofo (1796), traça um paralelo entre os que se dizem e os que são realmente filósofos. Muitos se dizem filósofos mais para enganar os outros - e consequentemente a si mesmos - do que para bem educar o seu pensamento. No primeiro caso, ele age segundo um dogma, uma superstição, uma emoção, um interesse; no segundo, em função de uma reflexão, de uma meditação e de uma tomada de decisão, baseada na lógica e na razão.

O verdadeiro filósofo não se espanta com o que os outros dizem. Observe que há muitos pensadores que falam em evitar as impressões dos sentidos para não se envolverem com as emoções que daí dimanam. O verdadeiro filósofo procura sentir, raciocinar e enfrentar toda e qualquer situação, para dela extrair o suco saboroso do conhecimento, conhecimento este que foi buscado, trabalhado e meditado sob a luz da razão. É aumentando a potência dos órgãos que aumentaremos o conteúdo doutrinal dos conhecimentos.

Neste texto, César Chesneau du Marsais faz uma crítica à demanda religiosa. Os religiosos da Idade Média raciocinavam segundo os cânones da Escolástica. Nela, havia os mais calorosos debates sobre as questões dos universais, da natureza de Cristo, da Trindade Universal etc. O autor destaca que essas discussões em nada auxiliavam a prática religiosa e a mudança comportamental dos seus adeptos. Daí, ele afirmar que meditar demais é tão prejudicial quanto meditar de menos. Para ele, "O devoto só é honesto por paixão, e as paixões nada têm de seguro".

O verdadeiro sábio age de acordo com aquilo que Veleius – militar e historiador romano – disse sobre Catão de Útica, político romano: Nunquam recte fecit, ut facere videretur, sed quia aliter facere non poterat (Ele jamais praticou uma boa ação para parecer que a praticou, mas porque não estava nele fazer de outro modo). Quer dizer, o filósofo verdadeiro não precisa de guarda, de fiscal, pois quando sentir que a sua consciência está tisnada, mudará imediatamente de comportamento, porque teme ficar em desacordo consigo mesmo.

O supersticioso crê que o Ser Supremo o colocou acima dos outros homens. É para este Ser que ele transfere todas as suas ações. O verdadeiro filósofo tem uma idéia melhor do que seja o bem público, porque as suas ações se voltam para o relacionamento com os outros homens, no sentido de servi-los. O sábio insensível dos estóicos está distante da perfeição do nosso filósofo. Este não deixa que o maravilhoso corrompa o racional. Além de se cuidar por fora, examina-se ainda mais cuidadosamente por dentro de si mesmo.

Em síntese, o verdadeiro filósofo escolhe para si uma religião pura, simples, clara e livre de quaisquer preconceitos.

Fonte de Consulta

DU MARSAIS, César Chesneau. O Verdadeiro Filósofo (1796). In: DU MARSAIS, César Chesneau. Filosofia Clandestina: Cinco Tratados Franceses do Século XVIII. Seleção, apresentação e tradução de Regina Schöpke e Mauro Baladi. São Paulo: Martins, 2008. (Coleção Tópicos Martins)

Nenhum comentário: