22 novembro 2017

Cremação

Cremação, prática de desfazer-se de cadáveres humanos pelo fogo, teve  sua origem por volta de 3000 a.C. É um longo caminho até os nossos dias. 

Em se tratando dos egípcios antigos, a cremação inexistia. Como acreditavam que a vida continuasse após a morte, havia as práticas de mumificação, a criação de sarcófagos e a construção de pirâmides. Tudo para facilitar a transição do ser para a vida após a morte. Além disso, objetos eram escolhidos para serem enterrados junto com o morto.


Com os gregos antigos (1000 a.C.), a morte dos soldados ensejou uma reflexão contrária. Para repatriar as cinzas dos soldados mortos, eles queimavam seus corpos, e a cremação passou a ser identificada com atos heroicos. Permaneceu como um símbolo de status na Roma antiga até a expansão do cristianismo, que ensinava que os mortos ressuscitariam no fim dos tempos. Isso estimulou os convertidos a enterrarem os seus mortos, para que os corpos ainda existissem no Dia do Juízo Final. 


Depois disso, a cremação ficou esquecida e proibida em alguns países. A objeção não religiosa consistia na possibilidade de a cremação disfarçar crimes. O conceito mudou no final do século XIX. No Japão a cremação foi legalizada em 1875; o primeiro crematório dos Estados Unidos foi aberto em 1876; e em 1884 as cortes britânicas declararam que era permissível dispor de cadáveres humanos por meio desse processo. 


Presentemente, a cremação está muito em voga. No Japão é praticamente universal; na Grã-Bretanha e na Alemanha mais de 50% dos cadáveres são cremados. Apenas os Estados Unidos são contra a tendência: mais de 90% dos americanos ainda são enterrados.


Fonte de Consulta



ARP, Robert (Editor). 1001 Ideias que Mudaram a Nossa Forma de Pensar. Tradução Andre Fiker, Ivo Korytowski, Bruno Alexander, Paulo Polzonoff Jr e Pedro Jorgensen. Rio de Janeiro: Sextante, 2014.

Nenhum comentário: