21 outubro 2017

Filosofia e Antifilosofia

"Quem não filosofa pela filosofia, mas se serve da filosofia como meio, é um sofista". (F. Schlegel, Fragmentos do "Athenaeum")

Platão, em A República, diz que o homem vil e superficial não pode ter nenhuma comunicação com a filosofia. A filosofia não é opinião, mas a busca da arché, o Princípio de todas as coisas. A filosofia deve ser entendida, hoje e sempre, como a busca ou amor da verdade. A filosofia surge como diálogo de pensantes e se comunica pelo logos.


O diálogo foi descoberto por Parmênides, Sócrates e Platão. O antidiálogo surgiu com os sofistas Protágoras, Górgias e Trasímaco. Os primeiros são os amantes do logos; os segundos, "amantes da opinião" ou filodoxos. Há, também, os "clássicos da doxa" ou da antifilosofia: Montaigne, Hume, Kant, Locke e Marx. Estes e outros são tentados a "revolver o logos próprio do homem e o Logos que é Deus fazendo-os ceder à "tentação" ratio-vitalística do mundano e, por isso, da opinião multíplice".


Os sofistas preparavam para a carreira política e para o exercício de cargos públicos. Na época moderna, John Locke foi o começo desse novo período de erros e falácias. De um erro elevado a princípio nascem novos erros. Rosmini diz que o século XVII foi uma das idades "quase consagradas ao erro". Nesse sentido, o verdadeiro pensador deve ter a coragem de libertar a filosofia dos inúteis vínculos com o erro e a mentira.

Um diálogo com concessões recíprocas já tem um vencedor: o erro. Há um só diálogo: o da verdade e com a verdade. De tanto respeitar o espírito humano, tem-se reverência pelo erro. A tolerância se exercita para com pessoas e não para com sistemas. A mente, quando se trata da lógica, da coerência, opõe-se à contradição.


A verdade não se aprende com os sentidos. Este é o nó solfístico que deve ser combatido. Santo Tomás, em Summa contra Gentiles, livro II, c. LXVI, explica a diferença entre sentido e intelecto. Para ele, o sentido se encontra em todos os animais, está limitado às coisas materiais e não consegue conhecer a si mesmo. O intelecto está no homem, vai além das coisas materiais e pode refletir sobre si mesmo. Acrescenta que a metafísica, como ciência das causas primeiras, que os sentidos não podem conhecer.


Saibamos diferenciar a filosofia da antifilosofia, o diálogo do antidiálogo, a verdade do erro. Por isso, a reflexão, o exame e a ponderação do bom senso.

Extraído de


SCIACCA, Michele Federico. Filosofia e Antifilosofia. Tradução de Valdemar A. Munaro. São Paulo: Realizações Editora, 2011. 

Nenhum comentário: